CONFIRMADOS PRIMEIROS CASOS DE CHIKUNGUNYA NESTE ANO; saiba mais

Mosquito Aedes, que transmite a dengue, também é vetor da chikungunya (FOTO: Reprodução web)

Confirmados os dois primeiros casos autóctones de chikungunya neste ano, em Bauru. Antes disso foram quatro casos, o primeiro em 2018 e os demais em 2019. Os dados são do Departamento de Saúde Coletiva da Secretaria Municipal da Saúde.

O vetor da doença é o mosquito Aedes aegypti, o mesmo que também transmite a dengue. A febre chikungunya é provocada pelo vírus Chikv, transmitido quando o ser humano é picado pelo mosquito infectado. Para combater a doença é preciso evitar a proliferação do mosquito.

Segundo os profissionais de saúde, a pessoa leva de 4 a 7 dias para apresentar os sintomas da doença. “Uma vez que a pessoa teve chikungunya, não apresentará novamente a doença porque terá desenvolvido resistência ao vírus”, diz nota do Departamento de Saúde Coletiva.

(FOTO: Reprodução web)

Os sintomas básicos são: febre, mal-estar, diarreia, vômito, cansaço exagerado e dores no corpo e na cabeça. Uma característica comum são dores nas articulações, visto que o vírus provoca inflamações, vermelhidão e inchaço nesses locais. Na 1ª fase, a doença causa febre de 5 a 14 dias; a fase pós-aguda pode durar até 3 meses e, a crônica, ainda mais tempo. Para confirmar a doença é preciso um exame de sangue específico.

O tratamento é à base de analgésicos e antitérmicos e muita hidratação. “Em alguns casos há necessidade de medicamentos anti-inflamatórios e até fisioterapia”, diz a nota da Saúde. “Agentes de controle de endemias estão atuando em diversas regiões do município para orientar moradores, recolher materiais que possam acumular água (onde os mosquitos procriam) e fazer nebulização”, finaliza.

HORAH – INFORMAÇÃO É TUDO