Júri de esposa e acusado de emboscada contra fazendeiro é marcado para setembro

O PM Marcos que matou o fazendeiro e se suicidou; a viúva do produtor rural, Elisângela; e o funcionário público que armou a emboscada, Fabrício (FOTOS: Reprodução/TV Fronteira)

Viúva do fazendeiro Airton Braz Paião, 54 anos, Elisângela Silva Paião e o funcionário público municipal Fabrício Severino Gomes Meritis vão a Júri Popular dia 17 de setembro deste ano, às 9h, no Fórum de Presidente Prudente. Os dois são acusados de emboscada contra Airton em 21 de setembro de 2022, em canavial de Iepê, região de Prudente. O Júri foi definido pela juíza Marcela Paes.

Na ocasião, o fazendeiro foi atraído até o canavial, emboscado e alvejado com 4 tiros na cabeça e uma facada nas costas, mas não morreu. No hospital em Prudente, Airton deu detalhes do veículo que o abordou; por câmeras de monitoramento, a polícia descobriu que o carro era do PM Marcos Francisco do Nascimento, 30 anos, que teria acompanhado tudo de dentro do veículo.

Três dias depois, ainda no hospital, o fazendeiro recebeu a visita inesperada do PM, que chegou atirando; após mata-lo, suicidou-se no mesmo local. Delegado responsável pelo caso, Carlos Gasques informou que “circula na cidade (de Iepê) que a esposa do fazendeiro teria um romance com o PM Marcos”; ela, ouvida informalmente pelo policial, teria confirmado.

Como o PM se matou, cessou a punibilidade contra ele; Elisângela responde por tentativa de homicídio qualificada mediante pagamento ou promessa de recompensa e emboscada, assim como o funcionário público Fabrício (Art. 121); por atentado (Artigo 14); e fato que concorre para um crime (Artigo 29). Eles estão presos e, a pedido da defesa e concordância da juíza do caso, Elisângela foi autorizada a comparecer ao Júri em trajes civis.

HORAH – Informação é tudo