Tristeza – MOTORISTA QUEIMADO E ATROPELADO EM ROUBO, RECONHECE CRIMINOSO E MORRE NO HOSPITAL

Polícia prendeu criminoso quando ele se preparava para fugir de Tupã (FOTO: G1/Reprodução)

Motorista de aplicativo que foi roubado, amarrado, queimado e atropelado no sábado (27/9), morreu na Unidade de Terapia de Queimados (UTQ) da Santa Casa de Marília, nesta 4ª feira (2). Joaquim José de Oliveira, 54 anos, teve 90% do corpo queimados na ocasião. Apesar de tamanha crueldade, ele resistiu, conseguiu pedir socorro e ser internado. No hospital, chegou a reconhecer foto do criminoso que o atacou.

Joaquim foi queimado e atropelado; antes de morrer, reconheceu foto do assaltante (FOTO: Arquivo Pessoal)

COMO FOI – Joaquim foi contratado para uma corrida entre a cidade em que morava, Piacatu, e Parapuã, ambas na região de Tupã. Ele disse à polícia que já havia atendido o mesmo homem outras vezes, mas que não o conhecia. No meio do caminho, o homem sacou um revólver e anunciou o assalto. Joaquim foi amarrado e colocado na mala do Gol que dirigia. O criminoso rodou um trecho, parou para comprar gasolina e, mais adiante, em estrada de terra, usou o combustível para atear fogo em Joaquim. Por fim, atropelou a vítima antes de fugir com o carro dela.

PRISÃO – O suspeito do crime foi preso 15 horas mais tarde, após intenso trabalho de investigação da DIG Tupã, sob chefia da delegada Milena de Melo. O homem já havia trocado o Gol da vítima por um carro mais velho em Penápolis e se preparava para fugir, carregando parte da mudança em uma carretinha, quando a polícia chegou. O criminoso teria confessado o crime; por foto, também foi reconhecido pela vítima – agora, com a morte de Joaquim, será indiciado por latrocínio (quando mata para roubar). À polícia, o homem disse que precisava de dinheiro para pagar traficantes.

HORAH – Você sabe das coisas