TRAUMATIZADO, MENINO ESPECIAL ‘ESQUECIDO’ NO ÔNIBUS NÃO VOLTOU MAIS À ESCOLA

Débora e o filho Davi, 'esquecido' em ônibus da prefeitura de Jaú (FOTO: Reprodução/Facebook)

“ELE ESCUTA O BARULHO DO ÔNIBUS E SE ESCONDE, O CORAÇÃOZINHO COMEÇA A ACELERAR”, conta a mãe, que decidiu levar o caso à Justiça

O pequeno Davi, que acabou de completar 8 anos, está traumatizado desde que foi ‘esquecido’ dentro do ônibus da prefeitura que o levaria de casa para a APAE Jaú na véspera da Sexta-Feira Santa. “Ele escuta o barulho do ônibus e se esconde, o coraçãozinho dele começa a acelerar, ele fica chorando, falando: ‘não, não quero’”, narrou a mãe, Débora Evelyn de Carvalho, moradora do Jardim Pe. Augusto Sani, Zona Oeste.

Davi é especial e praticamente não fala. “ conversando com a psicóloga que cuida da sala dele [na APAE] e ela me falou que tem que ir com calma, porque ele não sabe falar o que aconteceu, não sabe expressar, então não dá pra gente saber o quanto ele ficou estressado”, contou dona Débora. Após registro de boletim de ocorrência, o caso do menino foi entregue a um advogado para providências judiciais.

HORAH questionou se a prefeitura ofereceu algum tipo de auxílio e a mãe explicou que foi procurada por uma pessoa da Secretaria da Educação, provavelmente responsável pelo transporte dos alunos, perguntando “se precisava de ajuda”. Mas já era tarde, porque isso só ocorreu depois que o caso foi repercutido publicamente pela reportagem, forçando inclusive uma nota da prefeitura que procurou minimizar o problema. “Pedi pra eles tirarem o esclarecimento, porque não tinham ajudado em nada”, disse dona Débora.

Secretaria de Governo da prefeitura apura os fatos (FOTO: Reprodução)

A reportagem solicitou novo posicionamento da prefeitura, agora sobre a apuração dos fatos e a resposta foi a seguinte: “A Secretaria de Governo informou que segue em trâmite o processo disciplinar que foi instaurado para apurar o caso”. Naquela véspera de feriado, em 14/4, Davi foi apanhado em casa por volta das 12h para entrar na APAE às 13h, onde seria servido almoço e realizada a festa da Páscoa. Como não apareceu, funcionárias da entidade foram levar ovinhos de chocolate na casa dele, pouco antes das 16h, quando a mãe se desesperou. Foi então que descobriram que as monitoras do ônibus haviam ‘esquecido’ Davi dentro do veículo, que teria ficado a tarde toda estacionado no Beco, no Centro.

Transporte dos alunos para APAE é feito pela prefeitura de Jaú, que ‘esqueceu’ menino no ônibus por horas (FOTO: Ilustrativa)

HORAH – VOCÊ SABE DAS COISAS