Câmara de Gália marca para dia 14 julgamento de Giseli por quebra de decoro

Depois de ter de brigar para ter a presidência da Câmara de volta, agora a vereadora Giseli Simões enfrentará julgamento dos próprios colegas por quebra de decoro (FOTO: PC Notícias/Reprodução)

Logo na abertura dos trabalhos do ano legislativo no dia 14, os vereadores de Gália, região de Marília, vão julgar a representação por quebra de decoro parlamentar contra a vereadora Giseli Simões. Dependendo do resultado do julgamento, programado para 21h, ela poderá perder o mandato a ficar inelegível por oito anos.

Os trabalhos serão presididos pelo vereador Nilton Cezar, o Niltinho, depois que manobra política afastou Giseli da presidência em 2023; após contestações e recursos judiciais, ela chegou voltar ao cargo, mas agora enfrentará o julgamento político dos próprios colegas. A representação por quebra de decoro foi apresentada pelo suplente Douraci Marcelino Martins, fundamentado em “mero descumprimento de prazos”, disse Giseli ao HORAH.

“Não foram devidamente comprovados esses argumentos, nem ficou provado que houve qualquer dano à administração pública”, enfatizou a vereadora. Para ela, o que houve, de fato, “foi uma manobra para cassar os meus direitos políticos e me deixar de fora da disputa eleitoral deste ano” – ela é oposição à administração municipal de Gália, que possui maioria entre os vereadores da cidade.

Giseli foi destituída da presidência no ano passado, mas ingressou com recurso junto ao Tribunal de Justiça (TJ) de SP e conseguiu restituir o cargo. Na ocasião, a decisão deixou claro que os vereadores haviam descumprido o princípio da ampla defesa e do contraditório, acarretando prejuízos a Giseli. Diante da nova ameaça, agora contra o mandato, ela falou que continua confiante e, se necessário, recorrerá novamente à Justiça.

HORAH – Informação é tudo