Decepcionante – CIDADE JÁ TEM 121 CASOS DE COVID-19; ISOLAMENTO SEGUE BAIXO

Rafael implorou ajuda da população para alcançar 60% de taxa de isolamento social no domingo, mas não foi atendido (FOTO: Reprodução Facebook)

O apelo do prefeito Rafael Agostini por mais isolamento social no domingo (17), entrou por um ouvido do jauense e saiu pelo outro. A taxa oficial de isolamento medida pelo Governo do Estado ficou em apenas 49%. Pior é que além disso, o registro de casos de Covid-19 não para de subir na cidade e bateu hoje em 121, 15 a mais do que no dia anterior. O boletim epidemiológico foi divulgado no início da noite desta 2ª feira (18). Ou seja, situação cada vez mais crítica e fora do controle das autoridades locais.

NÚMEROS RUINS – São 72 casos suspeitos que aguardam resultados de exames, 2 mortes de pacientes locais e outras 6 de moradores de outras cidades que foram encaminhados para Jaú, 74 pessoas curadas e 245 casos descartados até o momento. Segundo Rafael, em vídeo no perfil pessoal dele no Facebook na semana passada, com índice de isolamento social abaixo dos 60% e crescimento geométrico da doença na cidade, não tem como flexibilizar a quarentena e retomar a economia local e, pior ainda, não está descartada decretação de lockdown.

Especialmente jovens criam diversões alternativas, como a ‘babilônia’, locais combinados por WhatsApp para se reunir e beber nos finais de semana (FOTO: Redes Sociais)

ISOLAMENTO BAIXO – Bem ao contrário do que implorou o prefeito, a taxa de isolamento mantém-se baixa. No sábado (16), foi de apenas 44%; na 6ª feira, de 46%; na 5ª, de 47%; no domingo anterior (10), ficou em 54% e o melhor resultado dos últimos dias, no domingo 3, bateu em 60%. A média jauense não decola e permanece em 46,5%.

REABERTURA DO COMÉRCIO – Em meio a tantos resultados negativos e decepcionantes, o Sincomércio levou ao prefeito proposta para retomar gradualmente o funcionamento do comércio. A ideia é abrir por setores e horários diferentes para evitar aglomerações no transporte público, principalmente. O presidente da entidade que representa o comércio varejista, empresário José Roberto Pena, também defendeu a criação de um conselho gestor de crise com representantes da sociedade civil organizada e órgãos de classe.

HORAH – Jornalismo com Credibilidade